Eventos Paralelos

Cursos, Rodada de Negócios, Palestras e Apresentação de Trabalhos Técnicos

COMITÊ CIENTÍFICO

Edilane Rocha-Nicoleite

Bióloga e Doutora em Ecologia

Antonio Sílvio Jornada Krebs

Doutor em Geologia

APRESENTAÇÕES

«»

Adnan Demachki

Adnan Demachki

Secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Estado do Pará

PARÁ 2030

Um programa de planejamento estratégico desenvolvido pelo governo estadual para melhorar a renda da população paraense.

Mini-currículo

Adnan Demachki é formado em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Fundou a subseção da Ordem dos Advogados do Brasil em Paragominas, de onde foi presidente por dez anos. Também em Paragominas, foi vice-prefeito entre os anos de 2001 e 2004, e prefeito por dois mandatos: de 2005 a 2008 e de 2009 a 2012, esta última eleição, vencida com mais de 80% dos votos. Sua atuação à frente do município foi reconhecida e premiada, entre diversas condecorações, recebeu: três vezes o Prêmio Prefeito Empreendedor, do Sebrae; oito vezes o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar, concedido pelo Governo Federal; e recebeu também o Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente, em reconhecido pelo projeto Municípios Verdes, implantado em Paragominas e que transformou a realidade do município e virou exemplo de gestão para o Estado e todo o país. Os bons resultados na área ambiental de Paragominas renderam ainda a sua inclusão na lista das 100 personalidades mais influentes do país, editada pela Revista Época. Além das premiações, Adnan Demachki também é detentor de diversas comendas e honrarias, como o título de Cidadão do Pará, outorgado pela Assembleia Legislativa, e o Mérito Advocatício, outorgado pela OAB-Pará. No executivo estadual, ocupou as Secretarias Especiais de Estado de Proteção e Desenvolvimento Social e também de Gestão do Estado. Atualmente, exerce o cargo de Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia.

«»

Romeu Kleinubing

Romeu Kleinubing

Online systems sales director at Emerson

TÉCNICAS PREDITIVAS E ANÁLISE ECONÔMICA APLICADAS NA GESTÃO DE ATIVOS PARA MOTORES ALTERNATIVOS

O objetivo deste trabalho é mostrar a utilização de técnicas preditivas de sinais sincronizados com o eixo do virabrequim e eventos mecânicos do motor, com a finalidade de realizar uma análise econômica do custo, reduzir gastos de manutenção e aumentar a confiabilidade operacional. A metodologia consiste em utilizar sinais de pressão, aceleração, ultrassom e temperatura sincronizados em fase absoluta para obtenção de dados que inferem diretamente sobre a performance e a condição mecânica de cada cilindro e do motor como um todo. Esta técnica apresentou resultado satisfatório em vários estudos de caso para motores alternativos. Foram selecionados alguns casos analisados com sistemas online e off-line em clientes do Brasil e dos Estados Unidos.

Mini Currículo

Engenheiro Mecânico, formado na Escola Federal de Itajubá com mais de 15 anos de experiência em manutenção preditiva e confiabilidade em equipamentos dinâmicos. Exercendo atividades de diagnóstico e máquinas alternativas e rotativas nas industrias de óleo e gás, geração de energia, petroquimica e siderurgicas, durente os primeiros 6 anos de carreira. Desde de 2008 atuando na área comercial gerenciando contas, criando suluções técnicas as demandas do mercado. Trabalhou durante 12 anos na GE Bently Nevada, tendo assumido a Gerencia Regional de Vendas da Windrock para Brasil e América Latina em janeiro de 2014.

«»

José Luiz Amarante

José Luiz Amarante

Diretor do DTTM/SGM-MME

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA O SETOR MINERAL BRASILEIRO

Esse artigo descreve sucintamente as novas diretrizes para o setor mineral brasileiro no sentido da construção de uma agenda de desenvolvimento para o segmento da geologia em amplo sentido (mapeamento, prospecção/explotação) além de outras questões inerentes ao setor mineral

Mini Currículo

Formado pela Escola de Minas de Ouro Preto/UFOP – Engenharia de Minas
Ecole des Mines de Paris/França – Especialista em Mineração a Céu Aberto
Ecole de Commerce Solvay/Université Libre de Bruxelles/Bruxelas, Belgica – Pós-Graduação em Comércio Internacional

Docente Especialista em Regulação do Setor Mineral
Docente Especialista em Economia, Gestão e Tecnologia do Setor Mineral.
2008 -2011 – Diretor de Marketing e Vendas da Anglo American
1984 – 2007 – Cia. Vale do Rio Doce -Vale, iniciando a carreira como Gerente de Produção e finalizando como Diretor de Vendas Europa/África/Oriente Médio
Professor Visitante de Fundação Gorceix para o Programa de MBA em Economia Mineral, responsável pelo tópico “Minerais Metálicos”

Atualmente: Diretor do Departamento de Tecnologia e Transformação Mineral – DTTM da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral / SGM do Ministério de Minas e Energia.

«»

Valdir Farias

Valdir Farias

Diretor - Fioito Consultoria

A CFEM e a Licença Social

A palestra irá abordar a relação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) com os stakeholders, envolvendo a intrínseca interdependência entre a atividade de mineração, o meio ambiente, a comunidade e o poder público local.

Mini Currículo

Economista, pós-graduado em Política e Gestão Mineral pela UNISUL/SC e em Desenvolvimento Local pela OIT/ONU. Como Chefe da Divisão de Procedimentos Arrecadatórios da Superintendência do DNPM em São Paulo, atuou frente às ações de fiscalização da arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais – CFEM, coordenando equipes, realizando treinamentos, analisando defesas e recursos e subsidiando procedimentos judiciais.

«»

Davison Fagundes Portes e Luiz Fernando Araújo

Davison Fagundes Portes e Luiz Fernando Araújo

Manutenção / Operações do Cobre Hub Norte - Salobo Metais S.A.

TELEMETRIA APLICADA EM EQUIPAMENTOS FORA DE ESTRADA

 

«»

Rodrigo Tadashi Hayashida

Rodrigo Tadashi Hayashida

Consultor Sênior - Hatch

OTIMIZAÇÃO INTEGRADA DE MINA A PLANTA PARA AUMENTO DE RENTABILIDADE E SUSTENTABILIDADE DE OPERAÇÕES

A indústria da mineração vem sofrendo crescentes pressões de redução de custos, agravados com questões de fornecimento de recursos hídricos e de energia limitados. Adiciona-se o fato do esgotamento progressivo dos depósitos de alto teor, e com os atuais corpos de minério passando a ser de menor qualidade e com maior complexidade em sua extração, com seu aprofundamento. A indústria de mineração no passado recente fez-se valer de economia de escala para mitigar tais condições de qualidade e custos, em uma abordagem de maximização de tamanhos e capacidades em extração e separação – maiores equipamentos, com processos padrões. As práticas em geral nas operações mineiras foram projetadas a serem não-seletivos, produzindo altas tonelagens de material, perfurando, desmontando, cominuindo em larga escala a tamanhos finos e deixando que a separação fizesse o resto, assumindo diluições e perdas de valor em contrapeso pela larga escala. Essa abordagem talvez possa ser válida em tempos de altos preços de commodities metálicas, assumindo grandes ineficiências, porém pode não ser aplicável em tempos de crise e austeridade.
Nestes períodos, em face de teores em queda conjugado com a necessidade de incremento de capacidade para atendimento de demanda seletiva, e sempre com a necessidade de incremento do valor para o acionista, o melhor uso de recursos e a otimização da eficiência de produção em uma forma sustentável, se torna mandatória. Práticas de operações mais inteligentes, seletivos, devem ser adotadas para cada operação em particular.
Uma abordagem mina a planta tem como objetivo a adotar uma visão holística de uma série de processos que são inter-conectados, com o desempenho de cada etapa afetando os subsequentes. A fragmentação resultante da perfuração e desmonte pode ter um grande impacto sobre os processos de fragmentação subsequentes (o seu rendimento, custo e eficiência). Da mesma forma, o tamanho das partículas a partir de moagem fortemente afeta o desempenho (teor e recuperação) no processo de separação (por exemplo flotação, lixiviação). Em outras palavras, para cada operação, tanto a fase anterior e posterior, têm de ser consideradas para garantir o melhor resultado global. Otimizar cada etapa de forma isolada pode resultar em um desempenho abaixo do ideal do funcionamento global, e acarretar em perda de rentabilidade. Portanto, é importante analisar cada fase do processo dentro do âmbito de toda a operação, começando com a otimização da perfuração e desmonte e capitalisando estas mudanças através da otimização das operações de cominuição.

Mini Currículo

Rodrigo possui experiência em perfuração e desmonte, tecnologia de explosivos e acessórios tanto em áreas de pesquisa e desenvolvimento assim como na aplicação em campo. Ele é especialista em operações de Perfuração e Desmonte e tecnologias associadas, trabalhou com aplicações de explosivos e sistemas de iniciação em mineração a céu aberto, subterrânea e construção. Rodrigo envolveu-se no desenvolvimento e aplicação de modelamento de fragmentação, instrumentação, auditoria e controle de desmonte na América do Sul. Sua experiência em consultoria inclui implementação de projetos de desmonte, auditorias usando perfilagem a laser de bancadas, análise de imagens (Powersieve, Split e Sirovision) avaliação de novos explosivos e sistemas de iniciação, modelamento de fragmentação e simulações usando JKSimBlast, análise e controle de vibrações, asseguramento e controle de qualidade em perfuração e desmonte, lançamento, overbreak e projetos de Mine to Mill.

«»

José Augusto Vieira Costa

José Augusto Vieira Costa

Analista de Infra Estrutura - Ministério Minas Energia

PROJETO DE INSTALAÇÃO DE ZONA DE PROCESSAMENTO E TECNOLOGIA MINERAL – ZPTM

Apresentação de ação da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral para a instalação de Zona de Processamento e Tecnologia Mineral – ZPTM em áreas potenciais/Províncias Minerais (Áreas de Relevante Interesse Mineral – ARIMs no Brasil.

Mini Currículo

Geólogo
Doutorado em Ciências – Área de Geologia Estrutural
Foi Prof. Associado da UFRR de 1983 – 2008.
Atualmente exerce o Cargo de Analista de Infraestrutura na Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral/MME Dpto. de Tecnologia e Transformação Mineral.

«»

Davison Fagundes Portes e Luiz Fernando Araújo

Davison Fagundes Portes e Luiz Fernando Araújo

Manutenção / Operações do Cobre Hub Norte - Salobo Metais S.A.

TÉCNICA ANÁLISE DE VIBRAÇÃO COMO FERRAMENTA DE DIAGNÓSTICO DE PROBLEMAS EM INJETORES DE COMBUSTÍVEL EM CARREGADEIRAS

«»

Fernando Lescovar Neto - SGS

Fernando Lescovar Neto - SGS

Diretor Técnico

ASPECTOS PRÁTICOS SOBRE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE NA MANUTENÇÃO MECÂNICA INDUSTRIAL

Ao longo das últimas décadas, a indústria brasileira tem avançado na direção da otimização de seus processos produtivos por meio de programas de qualidade e produtividade. Essa movimentação visa melhorar o posicionamento das empresas diante do mercado globalizado. A manutenção também deve da mesma maneira que a produção incorporar os conceitos desses programas, de modo que seja atingido um desempenho robusto e eficiente nas atividades e processos de manutenção. Este artigo expõe o agrupamento e o resumo de diversos conceitos e boas práticas que podem dar suporte e auxiliar algumas das atividades de manutenção, tais como treinamentos apropriados, atenção com metalurgia e soldagem em busca do aumento de produtividade e qualidade na manutenção.

Autores: (1) Fernando Lescovar Neto / (2) Vanessa Venceslau Müller

(1) SGS – Diretor Técnico

(2) ESALQ – USP – Pós-graduanda

Mini-Currículo

Experiência profissional
SGS do Brasil – (2013 até hoje)
Labmat – Análises e ensaios de materiais ltda – hoje SGS Labmat (2002/2013)

Histórico Escolar
Engenheiro Naval – Escola Politécnica – Universidade de São Paulo
Pós graduação em Engenharia de Soldagem – Lato Sensu – Universidade de Taubaté
International Welding Engineer – International Institute of Welding
MBA Gestão Empresarial – IBE – FGV

Outras qualificações
• Certified Welding Inspector pela AWS (American Welding Society) 2004;
• Inspetor de soldagem Nível II pelo Sistema Nacional de Qualificação e Certificação 2003; Vasos de Pressão – ASME VIII div 1.
• Inspetor de soldagem Nível II pelo Sistema Nacional de Qualificação e Certificação 2008; estruturas metálicas – AWS D1.1
• Instrutor de normas de fabricação de equipamentos industriais – válvulas, turbinas, tanques, vasos de pressão e estruturas metálicas / Instrutor de sistema da qualidade no ambiente industrial.

«»

Luiz Moreira

Luiz Moreira

Regional Sales Manager at Windrock for Latin America

TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PREDITIVO PARA MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA (DIESEL E OTTO).

  • Trabalho focado em técnicas de monitoramento preditivo para motores de combustão interna;
  • Soluções Windrock para monitoramento preditivo e de eficiência dos motores
  • Apresentação de estudos de casos.

«»

Dr. Antonio Sílvio Jornada Krebs

Dr. Antonio Sílvio Jornada Krebs

SATC

UTILIZAÇÃO DO DRONE PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE MINERAÇÃO

«»

Drª. Edilane Rocha-Nicoleite

Drª. Edilane Rocha-Nicoleite

Bióloga - SATC

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

Serão abordados temas como: Condição Natural e Condição Degradada do Ambiente; Resiliência dos Sistemas Terrestres; Delimitação da Área Degradada; Compartimentação e Interação de ambientes Degradados; Recuperação de Solos Degradados, Cobertura vegetal, técnicas de revegetação; monitoramento ambiental entre outros.

Mini-currículo

Possui graduação em Ciências Biológicas Bacharelado, Mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade do Extremo Sul Catarinense e Doutorado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sua pesquisa é focada em Ecologia de Comunidades vegetais, atuando principalmente na área de restauração ecológica de áreas altamente impactadas, especialmente pela mineração de carvão. Também atua no desenvolvimento de projetos técnicos que promovam a recuperação ambiental de áreas degradadas buscando a melhoria dos solos degradados através de métodos que promovam a manutenção e conservação do solo e dos aspectos ambientais relacionados a revegetação, visando um uso futuro com retorno econômico.
Atualmente é assessora técnica do Centro Tecnológico da SATC, membro do Grupo técnico de Assessoramento a Sentença que condenou a recuperação de áreas degradadas pela mineração de carvão em Santa Catarina e integrante da equipe organizadora do V Congresso Brasileiro de Carvão Mineral, como presidente do evento.

«»